O homem sonha e a obra torna-se uma realidade

Posted by

Foi em 1998 que foi fundado o Centro Sócio Cultural Polivalente de S. Martinho, em Coimbra. Agora, e dentro de dias, o que em tempos foi apenas e só um sonho está prestes a tornar-se realidade. O DIÁRIO AS BEIRAS visitou as instalações e conheceu o novo espaço.

Tendo sido criado enquanto Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) o centro, de acordo com a presidente da direcção, Piedade Carramanho, visa “contribuir para a promoção social da população em geral, desenvolvendo respostas centradas na família e no ciclo de vida, nomeadamente, infância, juventude e população idosa”.

A pensar nestas camadas da população foram construídas, em S. Martinho do Bispo, as instalações que dão resposta a estas necessidades.

E, depois de ter sido criada a Academia dos Mais Adultos (AMA) – que começou com 14 alunos e hoje já tem 53 – surgiram a creche, centro de dia e apoio domiciliário, bem como aulas de natação na piscina da freguesia.

A creche – “Casa da Avó Piti”, tem capacidade para 33 crianças e “pretende dar uma resposta às necessidades sociais” sentidas na região. Aliás, Piedade Carramanho recorda que a freguesia de S. Martinho do Bispo é “a segunda mais populosa do concelho e com grandes carências na área social”.

Por isso, dentro de dias, na Rua do Progresso, há um novo espaço que acolhe as crianças, dando início à vida escolar de cada uma.

Creche este mês

Por isso mesmo, e para dar resposta às necessidades, o Centro Sócio Cultural Polivalente de S. Martinho terá as valências de creche (para 33 crianças dos três meses aos três anos), centro de dia (para 24 pessoas) e serviço de apoio domiciliário (para 20 utentes). “Para começar”, dizem os responsáveis, Piedade Carramanho e Elmano Figueiredo, salientando que as necessidades são maiores e mais abrangentes, estendem-se, por exemplo, a um centro residencial, onde as pessoas possam ter acompanhamento 24 horas por dia.

Nós próximos dias a creche abrirá portas e começa a acolher as crianças com idades compreendidas entre os três meses e os três anos. Em Outubro segue-se o centro de dia. A partir deste mês serão 24 os utentes que irão usufruir desta valência. Posteriormente, entrará em funcionamento o serviço de apoio domiciliário para 20 utentes.

Piedade Carramanho recua alguns anos para recordar como nasceu a ideia de criar o centro e, posteriormente, as instalações que agora estão em fase de acabamentos finais. “Desde que me aposentei que comecei com a ideia de criar o Centro Sócio Cultural Polivalente de S. Martinho”. No entanto, e até que tudo fosse tornado realidade, foi percorrido um longo percurso.

700 mil euros

Foram gastos 700 mil euros – custo total da obra – tendo havido uma comparticipação, em cerca de um terço do orçamento total, em apoio do PARES II. O terreno foi cedido pela autarquia de Coimbra e os responsáveis pela instituição recorreram a um empréstimo.

Ao longo deste tempo as maiores dificuldades estiveram relacionados com as “burocracias necessárias” e de verba. Além disso, Piedade Carramanho e Elmano Figueiredo falam ainda da “falta de espaço” que não permite que o edifício cresça mais. Contudo, e a poucos dias de abrir portas, esclarecem que a grande escalada percorrida começa a chegar ao fim e a alegria de abrir as portas “supera tudo”.

O que foi pensado para ser apenas um centro de convívio, onde as pessoas se podiam reunir tornou-se muito mais do que isso. Primeiro com a AMA, “uma agradável surpresa”, e agora com as novas valências.

“Muito importante”

Para o presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho do Bispo, Antonino Antunes, a abertura do Centro Sócio Cultural Polivalente de S. Martinho é visto como algo “muito importante”. O autarca realça que a freguesia é “deficitária” em termos de instalações para dar apoio a crianças e idosos e, embora não vá colmatar todas as lacunas, é um passo relevante para que as dificuldades diminuam.

Foi na junta de freguesia que encontraram apoio enquanto a obra não se fez. Agora, tudo estará concentrado num só local, e os mais de 25 mil habitantes de S. Martinho do Bispo têm disponível “a solução para alguns dos seus problemas”, esclarece o autarca.

Sem uma data concreta para a inauguração, o Centro Sócio Cultural Polivalente de S. Martinho está a poucos dias de se tornar realidade. E embora, numa primeira fase, não tenha sido um sonho dos responsáveis da instituição, quando o foi tornou-se algo (bem) real.

One Comment

  1. Odete Semedo says:

    Realmente e um bom projecto a creche, já tive a oportunidade de a visitar, no qual gostaria de inscrever a minha filha fiquei foi parva de ser ate aos 3 anos, estamos numa cidade aonde existe algumas creches essas que estão sempre lotadas e algumas que a lista de entrada nunca tem fim, e vergonhoso termos que transportar as nossas crianças pra tão longe e termos que fazer mais caminho pra regressar pra os postos de trabalho, tendo creches tão perto mas não podem frequentar porque é só ate aos 3 anos..

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*