Liceia estende o tapete (de flores) a S. Miguel

Posted by

Foto de Jot'Alves

Quando finalmente deram por concluído o trabalho, constataram que valeu a pena madrugar mais cedo que o habitual. Vários voluntários, graúdos e miúdos, de Liceia, Montemor-o-Velho, participaram na elaboração de um tapete de flores com 70 metros de comprimento e três de largura. O resto da população contribuiu com o material.

No comando estava Telma Simões, do Centro Cultural, Recreativo e Desportivo de Liceia, a quem cabe a organização das festas locais. Desde 2009 que a comunidade estende o tapete vegetal à procissão de S. Miguel. Este ano, porém, a comissão de festas quis ir mais longe e duplicou o tamanho. “Em 2011 queremos chegar à estrada”, adianta Telma Simões.

A passadeira que ontem foi estendida ficou a escassos metros da estrada intermunicipal. Sem intervenção divina, vai manter-se viçosa até à próxima quarta-feira, dia em que Liceia celebra o seu padroeiro. As flores e demais vegetais resistem ao calor e a outras adversidades porque a citada associação encarrega-se da rega e da manutenção.

Os devotos que participam na procissão também colaboram: “por incrível que pareça, ninguém pisa as flores. As pessoas têm um cuidado extremo em caminhar sobre a relva”, explica Telma Simões. No ano passado, foram muitos os visitantes, vindos de diversos pontos do distrito de Coimbra, que se deslocaram àquela localidade de Montemor por causa do tapete florido.

Boa vizinhança. Pela primeira vez, a procissão contou com a participação da imagem da Senhora de Fátima de Tromelgo, Figueira. Foi transportada numa viatura, que fez um percurso de 10 quilómetros em marcha lenta para os devotos poderem acompanhá-la a pé. Por sua vez, não raras vezes, o coro de Liceia participa em celebrações litúrgicas do lugar vizinho.

REGISTOS

O tapete de flores mantém-se viçoso até ao dia em que se celebra o dia do padroeiro de Liceia

A população colabora com a comissão de festas, que emana da coletividade local

2 Comments

  1. Participante says:

    Gostei de ver os esforço e a dedicaçao de todos os que participaram, estava lindo, quando há dedicaçao da populaçao tudo se faz.

  2. Zé da Gândara says:

    Pena é que não se tenha aproveitado a oportunidade para aplicar o método Abdullah-Badawi aos provincianos locais…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*