“Fazer pior que Sócrates é difícil” – Jaime Soares

Posted by

DIÁRIO AS BEIRAS – A época de fogos não acabou e o balanço já é dramático. O que falhou?

JAIME SOARES – Falhou muita coisa, nomeadamente, a prevenção. Há por aí muitos experts nesta matéria, a falar de terapêuticas para a floresta. Mas há mais de 30 anos que eu ando a falar nas coisas que hoje toda a gente repete. Não sei tudo, mas tenho uma grande experiência, como bombeiro e autarca, e enquanto cidadão.

Mas está a dizer que nada foi feito nestes 30 anos?

Se dúvidas houver atente-se à piada, sem graça nenhuma, de um senhor ministro que dizia que já tínhamos perdido 30 anos em relação à prevenção. Eu respondi-lhe que tínhamos perdido 60. Os 30 em que não fizemos nada e os 30 que vamos passar a discutir para efectivamente fazer alguma coisa. Em primeiro, não houve nenhuma adaptação da floresta às alterações climatéricas. É que, muitos técnicos passavam muito tempo nas alcatifas da Avenida João Crisóstomo e salvo raras excepções, nunca tivemos ninguém à frente da Direcção Geral de Florestas e hoje, na Autoridade Florestal Nacional, com competência e arrojo para encarar as mudanças.

Faltaram os conhecimentos?

Não digo que não tivessem conhecimentos. Não tinham era vontade suficiente de trabalhar, para pôr no terreno os seus conhecimentos. Eu tive a sorte de participar no estrangeiro em vários seminários sobre questões da floresta e vi técnicos portugueses darem lições aos estrangeiros. E muitos deles pertenciam à estrutura do Estado que, sendo detentor de três ou quatro por cento da floresta, é a mais maltratada. A estrutura florestal portuguesa, a começar em quem manda, é a mais conservadora da sociedade. Não faz nem deixa fazer.

O que se deve fazer?

Em primeiro lugar os fogos evitam-se, não se combatem. Por isso tem que se prevenir. E para prevenir temos que ser arrojados. Há dias, houve um ministro que foi maltratado por ter defendido as expropriações. Acusaram-no de ter distúrbios de Verão, esquecendo que há muita floresta abandonada em Portugal e que há outra de quem não se conhece o dono.

Portugal não tem um cadastro da floresta?

Se tem, não se sabe por onde anda. Eu insisto que se deve fazer esse cadastro para saber se há ou não terrenos abandonados. No passado fez-se a Lei das Sesmarias, agora faça-se a posse administrativa. Se essa floresta está perdida transformando-se num archote aceso no meio da outra floresta, têm que se tomar atitudes rápidas e eficazes. Pode ser através do associativismo florestal. O emparcelamento é fundamental para o planeamento e ordenamento florestal. Com a evolução da sociedade portuguesa, com a transferência das populações das zonas rurais para os centros urbanos, desertificou-se o interior. As gerações e as ligações vão-se perdendo e aparecem os terrenos abandonados.

Também a a agricultura morreu. Isso agrava a situação?

Sem dúvida. A agricultura em volta das povoações, os rebanhos, a limpeza das matas para adubar as terras e para os animais, os pequenos vales cultivados onde os bombeiros se refugiavam. Tudo isso acabou. Hoje há silvados e terrenos abandonados que fazem da nossa floresta uma mancha contínua e selvagem. Há zonas que só permitem a entrada do homem depois de arderem.

De que forma pode o associativismo ajudar na prevenção?

Através das ZIF’s, as zonas de intervenção florestal, por exemplo. Deve criar-se legislação, fazer projectos de desenvolvimento. Não podemos continuar a assistir ao desaparecimento de milhares de hectares, de milhões de euros, à morte de tantas pessoas. Num país onde as pessoas até são inteligentes, solidárias, com tecnologia para resolver os problemas, com uma floresta tão bonita e que apesar de ter uma geografia difícil é passível de intervenção, porque é que não deixamos de ser um país terceiro mundista? Isto é que é defender os valores da democracia, contrariamente a alguns papagaios a quem tudo serve, até os fogos, para se promoverem, dizendo asneiras e não diferenciando um eucalipto de um chaparro.

As CNEFF’s funcionaram?

Sem dúvida que sim. Em 1986, foi criada uma Comissão Nacional Especializada de Fogos Florestais que integrava os experts na matéria e que dinamizava as CEFF’s concelhias. As verbas vieram primeiro das empresas de celulose, o que eu contestava, e depois do Orçamento de Estado. Nessa altura fizeram-se pistas e helipistas, heliportos, aeródromos. Mas depois, acabaram com a CNEFF e fizeram a APIFF que até tinha a sede no Centro de Biomassa de Miranda do Corvo com um grande técnico, o professor Luciano Lourenço. Mas isto incomodava, nomeadamente a Direcção Geral de Florestas. Seguiu-se a Comissão de Representantes. E depois tudo acabou. Há anos que andamos a falar nestas questões..

Falar é fácil… e propostas?

Há anos que falamos na criação de estruturas militares onde os mancebos podiam tirar a especialidade de sapadores florestais, como em França. Há alguns anos propus eu que se fizesse uma experiência deste género em Pedrógão Grande que envolveria 21 municípios e que permitia ter, em menos de 45 minutos, uma equipa de 63 bombeiros prontos a intervir. Chamava-lhe centro de formação operacional. É importante a escola em Sintra para formar formadores, mas porquê só lá. A escola tem que vir ao bombeiro e não o contrário. Aquele centro dava formação nos meses de Inverno e no Verão, a equipa de homens e equipamentos estavam prontos para intervir em qualquer situação. Nós temos estruturas em funcionamento, mas situadas em locais que não permitem a operacionalidade das respostas.

A situação possa melhorar?

Não acredito. Penso que, infelizmente, vai ser muito pior no futuro pois não vejo num horizonte próximo nada que me leve a acreditar que haja modificações. Metem à frente das estruturas pessoas que não sabem do que se trata. Mas, felizmente, os bombeiros têm contado muito com a mãozinha de Deus. E isto não quer dizer que não tenham profissionalismo ou conhecimentos Nós temos dos melhores bombeiros do mundo a actuar num país onde os demagogos e os burocratas ainda têm um peso demasiado.

E estão bem equipados?

Essa é outra questão. Perante a nossa floresta temos que encontrar soluções no combate. Portugal está preparado, embora considere que a criação desta superestrutura da Protecção Civil não veio garantir eficácia mas que, garantidamente, veio aumentar os custos e criar elites. Nós estamos preparados para 200 fogos por dia, de forma equilibrada e sem ter que se entrar em pânico. Mas o grande problema é que há dias em que temos 300, 400 e até 500 fogos. Perante uma situação destas, a estrutura inventa e conta com o espírito de abnegação da mulher e do homem bombeiro que depois até são acusados de que há reacendimentos porque os rescaldos não são bem feitos. Aqui é que a estrutura falha. Os bombeiros têm que ter força para enfrentar as chamas. Mas depois deviam ter na rectaguarda uma estrutura séria e eficaz.

Quem devia estar na rectaguarda?

Os proprietários, as brigadas de sapadores, os militares, os próprios GIP’s da GNR. Estes não precisam de enfrentar o combate porque enquanto houver chama, a raiva do bombeiro ajuda-o a superar-se a si próprio e leva-o até ao limite das suas forças. Em relação aos GIP’s da GNR, foram equipados com melhor que há, enquanto os bombeiros, há cinco anos que não se recebem uma viatura. Mas nós sabemos que os fogos têm uma época de três ou quatro meses, o que liberta aquele pessoal e o equipamento durante o resto do ano. Portanto, se ganham 14 meses, mas só trabalham quatro, podiam ser mais bem aproveitados e rentabilizados. Hoje, esta estrutura dos GIP’s da GNR está perfeitamente integrada no combate com apoio aos bombeiros.

Já houve melhores tempos?

Já e com menos custos e recursos. No passado, os bombeiros eram definidos por região. Havia cinco regiões e cada uma delas tinha um inspector e, eventualmente, um adjunto. No máximo seriam 10 no país. Hoje temos três por distrito. Ora, em 18 distritos temos 54 responsáveis com todas as mordomias, secretárias (com pernas e sem pernas), jipes da mais alta cilindrada. E, se formos ver, quem no terreno trabalha, anda com carros atados com arames, cedidos pelo exército e com 20 e 30 anos. E depois dá-se a um bombeiro 41 euros por 24 horas. Mas um bombeiro em combate intensivo a um fogo florestal faz mais em oito horas do que um trabalhador normal numa semana. E não têm direito a nada. Têm um estatuto social que é vergonhoso e ordinário. Saem esgotados, psicologicamente abalados e apenas têm direito a um funeral muito bonito com uma coroas de flores e uns discursos. Daí a minha revolta pois acima de nós temos uma super estrutura elitista que tem tudo do bom e do melhor.

Mas é contra a fiscalização?

Claro que não. Se o Estado dá verbas para qualquer estrutura, deve fiscalizar a aplicação desses dinheiros públicos. Mas, tendo em Portugal uma estrutura de voluntários que são o braço armado da Protecção Civil, devia potenciar-se essas estruturas. Temos as IPSS, as Misericórdias, que são ajudadas pelo Estado, mas que têm a sua liberdade de acção. Nos bombeiros faz-se o contrário? Cria-se legislação para limitar a acção de voluntários!

O tão falado comando único dos bombeiros…?

Isso é uma farsa. Eles não comandam a GNR, não comandam o Exército, a Marinha, a Força Aérea, a Cruz Vermelha, o INEM, os Sapadores. Mas querem comandar os bombeiros que podem estar na estrutura do Estado mas não pertencem ao Poder Central e que ou são voluntários ou pertencem às câmaras. Criaram um comandante operacional distrital, quando na Protecção Civil a nível mundial não tem comandantes, mas sim coordenadores. E depois vêm equipas de Lisboa para fiscalizar e ver se lá estão os tais cinco homens que ganham 41 euros por 24 horas.

Sempre houve responsáveis!

E é fundamental. Nós temos que analisar o país e fazer a tipificação. E por isso, há muitos anos em Coimbra nasceram as tais quatro zonas operacionais que elegiam entre si o primeiro comandante, o segundo comandante e o suplente. Isto significava que estava sempre um comandante da zona do fogo. Eu fui comandante durante 17 anos da pior zona de Portugal que incluía Poiares, Penacova, Lousã, Góis, Miranda do Corvo, Pampilhosa da Serra e Penela. E havia uma união entre as equipas das várias zonas. Agora criaram um comandante distrital e um segundo comandante que não comandam nada. E ainda um terceiro que não passa de um bibelô. Vejam-se os custos do sistema e veja-se se a coordenação tem sido tão eficaz assim.

Considera importante o Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios?

Considero. Mas esse SDFI só existe porque existem os bombeiros. Se estes saírem… não há sistema que funcione. Os bombeiros têm que ser os principais coordenadores do sistema em que são a figura principal. E que devem fazer equipa com os sapadores florestais, com as empresas de celulose e também os meios aéreos, que estão com bastante eficácia.

Sinto uma certa saudade do Serviço Nacional de Bombeiros?

Talvez. Acho que os bombeiros devem rapidamente avançar e lutar para que se crie de novo o Serviço Nacional de Bombeiros ou o Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, sendo estes uma estrutura integrada, mas autónoma em termos de gestão. Para que haja alguém que defenda e organize a estrutura dos bombeiros, que não se sirva dela. Há uma coisa que tem que ser desmistificada: é que os fogos florestais em Portugal correspondem, no máximo, a sete por cento da actividade dos corpos de bombeiros. E não assistimos a verdadeiras tragédias, como noutros países.

Mas balanço é preocupante!

Claro que é. Mesmo com os números falsificados. Há pessoas a apontar áreas que estão bem longe daquelas que verdadeiramente já arderam. Eu posso prová-lo. Não se pode tentar tapar o sol com a peneira ano após ano, com a falácia da organização, do reforço de meios, etc, etc. Temos que entender que a situação dos fogos florestais são uma situação a que estamos sujeitos pela influência mediterrânica, pelas temperaturas altíssimas e taxas de humidade muito baixas.

Mas a maioria é criminosa?…

Esse é um outro problema. Fui apelidado de louco por ter discutido com todos, desde directores nacionais a secretários de Estado e ministros, e dizer que os fogos florestais têm 75 por cento de origem criminosa. As nossas polícias fazem um trabalho extraordinário porque o fogo destrói as provas do crime. Por isso é que devia haver uma maior sintonia com os bombeiros preparando-os para essa questão. Eu fiz, com 35 colegas meus, um curso com técnicos americanos que nos preparava para ver o local onde começou o fogo e tentarem preservar a área para tornar mais fácil o trabalho de recolha de provas às polícias.

Qual a punição exemplar para o incendiário?

Para o pirómano, que é uma doença, façam-se colónias. De trabalho para quem pode e de vigilância aos doentes. Se sabemos que muitos estiveram presos e voltam a atear fogos quando em liberdade, porque é que não os retiramos da rua, pelo menos nestas alturas do Verão? Não posso aceitar que um indivíduo que não é inimputável seja posto em liberdade com uma pulseira ou com a apresentação na GNR. Isso não é nada. Não estou a dizer mal da justiça, dos juízes ou dos procuradores, mas a justiça tem que ter mão mais pesada.

É o autarca mais antigo. Como vê a limitação de mandatos?

Estou à frente da Câmara de Vila Nova de Poiares desde 6 de Maio de 1974 e vejo esta medida de duas formas muito simples. Sou contra o facto de se aplicar a medida apenas aos autarcas, porque entendo que não podemos ser os bodes expiatórios da política. Porque é que não são limitados os mandatos dos governos regionais, dos deputados, de todos os detentores de cargos de responsabilidade pública e mesmo os gestores públicos?

Esta lei beneficia quem?

Beneficia muita gente que tem ambições, mas que não tem qualidade para chegar aos lugares. É o lóbi partidário a tentar arranjar ocupação para desempregados da política.

Pensa noutro município?

Não. Mas não tenho dúvidas que muitos dos actuais autarcas abrangidos se se candidatarem a municípios próximos serão eleitos na mesma. Quanto a mim, o meu sonho de menino era ser bombeiro, mas também mostrar que a Câmara de Poiares podia ser diferente. E quando passava à frente da Assembleia da República pensava que um dia gostaria de estar lá dentro a intervir. Consegui. Essa sua pergunta tem intenção. Reconheço que o PSD tem que ter muito cuidado na escolha para os municípios mais importantes do distrito. Se o não tiver, não descuro a possibilidade de entrar na discussão. Preservo a minha liberdade e posso optar por estar dentro ou fora de um partido e assumir as minhas responsabilidades como cidadão.

Passos Coelho é o líder certo para enfrentar Sócrates?

É o líder do PSD e como tal, é ele que tem que bater-se com Sócrates. Aconselho-o a não se deixar inebriar pelo lugar que ocupa e que se saiba rodear das pessoas certas. Portugal está numa situação crítica que exige honestidade e muita coragem para implantar medidas algumas bastante difíceis.

E é o homem do PSD ideal para primeiro-ministro?

Bom…… o futuro a Deus pertence. Mas também, fazer pior que Sócrates é difícil.

E Cavaco Silva é o presidente certo para esta crise?

Não tenho dúvidas. É um homem diferente, na sua postura, no seu conhecimento, na sua honestidade política e intelectual. E eu tive muitos problemas com o professor Cavaco Silva enquanto autarca. Foi um grande primeiro-ministro e não vejo no cenário político português qualquer cidadão com melhores qualidades para ser Presidente da República.

Metro de Superfície ou Estrada da Beira?

As duas coisas.

E não podendo ser?

Então a Estrada da Beira que serve a todos. Sempre defendi, em particular na Assembleia da República, o metro, a Estrada da Beira, o IC3, a EN342. E agora que eu lanço um desafio para nos unirmos pela Estrada da Beira não tenho a solidariedade dos meus vizinhos autarcas. Nomeadamente, da minha colega da autarquia de Miranda do Corvo. Entendo que é obrigatório melhorar o que havia em termos de linha da Lousã, mas não se faça como se a Estrada da Beira não exista. Não se esqueçam os mais de 10 milhões de contos já gastos na variante da Lousã a Miranda do Corvo, não se esqueça a variante a Lousã. De que vale à Lousã ter uma moderna variante se depois encalha num caminho de bois que é a Estrada da Beira? Agora é que eu estou a ver porque é que os meus vizinhos não levantavam a voz a defender a Estrada da Beira, com medo que ela fosse primeira opção ou empecilho ao metro de superfície. A Estrada da Beira beneficia o crescimento e desenvolvimento desta região.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*