2010 será “ano decisivo” nos cuidados paliativos

Posted by

Mais meios estão previstos para o próximo ano

Numa intervenção no V Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, em Lisboa, Ana Jorge afirmou que às 118 camas já existentes nas 11 unidades de internamento de cuidados paliativos da Rede de Cuidados Continuados serão acrescentados “mais 119 lugares”, que “ainda são insuficientes face às necessidades”.

Além disso, este ano o Ministério da Saúde quer “formar no nível básico de cuidados paliativos mais de 500 profissionais e na temática da dor crónica outros tantos”, através de protocolos com a Fundação Calouste Gulbenkian e com a Universidade Lusófona.

Ana Jorge indicou ainda que será criado um Centro Piloto de Integração dos Cuidados Paliativos no Instituto Português de Oncologia de Lisboa, com uma unidade de internamento, uma unidade de dia, reforço de apoio domiciliário e capaz de dar formação a profissionais de saúde na área dos cuidados paliativos a doentes com cancro.

A ministra espera “garantir, com este projeto, o acesso de cerca de setecentos novos doentes por ano a cuidados paliativos” sem ser necessário o seu internamento em unidades de cuidados paliativos.

“Cuidar do doente crónico em sofrimento ou em fim de vida é valorizar a dignidade do ser humano até ao último momento”, declarou Ana Jorge, que afirmou o empenho do Governo em aplicar o Plano Nacional de Cuidados Paliativos, que faz parte da Rede de Cuidados Continuados Integrados.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*